quem somos?

A Associação Pró Desenvolvimento, Inovação e Sustentabilidade, também designada pela sigla APRODIS, é uma associação de direito privado, com fins não econômicos, com prazo de duração indeterminado e com foro na comarca de Cascavel Paraná, regida por Estatuto social e pelas deliberações de seus órgãos.

 

A Aprodis está inscrita no Cadastro das Pessoas Jurídicas sob o número 26.683.733/0001-61.

São perguntas frequentes sobre a Aprodis:

Quando e como surgiu?

Em 2014, a população de Cascavel e região foi surpreendida com a notícia de que a Agência Nacional do Petróleo (ANP) havia realizado uma licitação para a exploração de gás folhelho, mais conhecido como “gás de xisto”, na modalidade de fracking (fraturamento hidráulico), na Bacia do Paraná, já com empresas vencedoras e com data marcada para assinatura dos contratos e início da operações. Após o choque inicial, várias pessoas iniciaram um intenso trabalho de pesquisa, de conscientização e de mobilização social para que o fato fosse melhor explicado e, principalmente, suspenso até que todos os riscos se tornassem conhecidos e eliminados.

 

A pesquisa resultou em denúncia ao Ministério Público Federal local, que abriu inquérito civil e na sequência uma Ação Civil Pública para suspender os efeitos da licitação ocorrida, o que foi deferido em antecipação de tutela.

 

O trabalho de conscientização e mobilização social resultou em muitas reuniões, em vários locais diferentes, desde escolas, universidades, órgãos profissionais e de classe, que culminaram em uma Audiência Pública na Câmara de Vereadores de Cascavel, com público que extrapolou todas as dependências físicas do local e ganhou grande repercussão. Houve debates entre quem defendia e quem era contra a continuidade do processo e, ao final, a população presente exigiu providências dos Vereadores, no sentido de não permitir o fracking. Na sequência, uma lei municipal, foi aprovada com o objetivo de criar uma moratória e suspender a exploração de xisto pelo fracking. Para mais informações sobre o Fracking em Cascavel, (inserir link para o Projeto Francking – ver)

 

Todas estas ações, que exigiram pesquisa, conscientização e mobilização social, uniram pessoas de muitas áreas diferentes de conhecimento e atuação em prol de um objetivo comum: o desenvolvimento sustentável.

 

Em 2015, apesar de o processo de Fracking ter sido suspenso na Bacia do Paraná, muitos outros problemas se tornaram evidentes e ficou muito claro que não era possível confiar tudo ao Poder Público constituído e, principalmente, ficar apenas reclamando e se indignando de tudo.

 

Assim, durante o ano de 2016, algumas pessoas começaram a se reunir e a pensar sobre como poderiam fazer mais pelo desenvolvimento sustentável. A Aprodis surgiu destes debates e da vontade de fazer mais e de reclamar menos. Em 2/12/2016 ocorreu a aprovação de seu Estatuto Social e o seu Registro.

 

A Aprodis foi fundada e, com poucos recursos, associados e voluntários começaram a trabalhar, ainda timidamente.

 

Os primeiros anos de trabalho da Aprodis foram marcados por participações em em audiência públicas e trabalhos de pesquisa, acompanhamento e de engajamento, principalmente em relação aos recursos Hídricos (ODS 6).

Na sequência se seguiram debates internos a respeito do papel da associação e de como suas atividades deveriam ser realizadas.

Como encontro o Estatudo da Aprodis?

O Estatuto Social da Aprodis foi registrado no Cartório de Registro de Títulos e Documentos de Pessoas Jurídicas, em 2/12/2016 e pode ser acessado aqui.

A Aprodis tem um Regimento Interno?

Em dezembro de 2018, a Assembleia Geral aprovou o regimento interno da Aprodis, que pode ser acessado aqui.

O que a Aprodis faz?

Artigo 2° do Estatuto social prevê que, em âmbitos nacional e internacional, a Associação tem por finalidade:

I – promover o desenvolvimento sustentável;

II – promover pesquisa, desenvolvimento e inovação voltados à sustentabilidade;

III – compartilhar informação e conhecimento voltados à inovação e sustentabilidade;

IV – promover educação e a formação para a sustentabilidade;

V – promover a capacitação de pessoas, empresas e o setor público para práticas sustentáveis;

VI – certificar práticas sustentáveis;

VII – promover e/ou acompanhar denúncias ou ações judiciais de defesa do desenvolvimento sustentável perante órgãos públicos, especialmente voltadas à proteção de recursos naturais quando ameaçados;

VIII – promover o diálogo e ações integradas com outras associações com finalidades semelhantes ou complementares a estas, tanto locais, quanto regionais, nacionais e internacionais;

IX – agregar especialistas e interessados em desenvolvimento sustentável, em todas as áreas do conhecimento;

XI – participar de fóruns, conselhos, comissões e outros que busquem o desenvolvimento sustentável da sociedade;

XII – qualquer outra ação voltada para os objetivos do desenvolvimento sustentável e suas metas definidos pelas Conferências da Organização das Nações Unidas (ONU) ou por outras organizações internacionais às quais a República Federativa do Brasil esteja vinculada juridicamente, a exemplo dos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da ONU.

Como a Aprodis trabalha?

No desenvolvimento de suas atividades, a Aprodis atua pelos princípios da defesa dos direitos humanos, proteção dos recursos naturais de modo a não comprometer as futuras gerações, crescimento econômico, transparência, solução pacífica de conflitos, paz, segurança e alinhamento aos demais objetivos e metas internacionais de desenvolvimento sustentável (Artigo 3° do Estatuto Social).

 

Para atingir suas finalidades, os projetos poderão utilizar todos os meios permitidos na Lei, podendo desenvolver outras atividades acessórias voltadas ao desenvolvimento dos objetivos institucionais por meio de: execução direta de projetos, programas ou planos de ações; celebração de convênios, contratos ou outros instrumentos jurídicos; doações ou prestação de serviços intermediários de apoio a outras organizações com fins não econômicos e a órgãos do setor público que atuem em áreas afins (Artigo 4° do Estatuto Social).

 

O parágrafo único do artigo 2° do Estatuto social prevê que as ações da Associação devem ser viabilizadas por meio de projetos.

 

Assim, em dezembro de 2019, a Assembleia Geral iniciou os debates sobre Regulamento das Atividades da da Aprodis, cujo texto pré-aprovado pode ser acessado aqui.

Qual é a Agenda de atividades da Aprodis?

Você pode acessar a AGENDA 2020 da Aprodis aqui

Quais são os órgãos deliberativos e executivos da Aprodis?

O artigo 18 do Estatuto Social prevê que a Aprodis é constituída pelos seguintes órgãos:

A Assembleia Geral, onde todos os associados podem participar, é o principal órgão deliberativo da Aprodis e deve se reunir, ordinariamente, uma vez ao ano.

 

A Diretoria, é o órgão executivo, composta por um Presidente e um Diretor Administrativo, eleitos pela Assembleia Geral para um mandato de 2 anos, permitida uma reeleição. O Regimento Interno permite ao Presidente nomear pessoas para diferentes cargos de gestão (financeira, contábil, de pesquisa, desenvolvimento de inovação, de marketing, de relacionamento externo, de arte, de eventos).

 

O Conselho Fiscal é o principal órgão de acompanhamento e julgamento das contas da Aprodis, tem 3 membros efetivos e 2 suplentes, eleitos pela Assembleia Geral para um mandato de 2 anos, permitida uma reeleição.

Quem faz parte da Diretoria e do Conselho Fiscal da Aprodis?

Como a Aprodis se mantém?

A Associação se mantém com as contribuições dos associados, de doações e de outras atividades, sendo que essas rendas, recursos e eventual resultado operacional devem ser aplicados integralmente na manutenção da e desenvolvimento das finalidades institucionais (Artigo 39 do Estatuto Social).

A Aprodis pode buscar fontes de recursos provenientes de (Artigo 40 do Estatuto Social):
I- receitas decorrentes de seu patrimônio, mobiliário e imobiliário que venha a possuir;

II- de doações de qualquer natureza;

III- auxílios e contribuições de seus associados e benfeitores ou qualquer outra forma legal de receita, cuja soma constitui o patrimônio social;

IV- de auxílios e subvenções que venha a receber do Poder Público;

V – de auxílios e subvenções de entidades privadas que tenham finalidades semelhantes ou complementares a associação;

VI – de convênios, apoio e financiamentos realizados com entidades de pesquisa, desenvolvimento, inovação ou de educação;

VII – prestação de serviços;

VIII – certificação de boas práticas sustentáveis.

Como ter acesso às prestações de contas da Aprodis?

Gestão 2019-2020

Gestão 2016-2018

Balanço – Gestão 2016-2018

DRE – Gestão 2016-2018

 

Como ter acesso às atas das Assembleias Gerais Ordinárias da Aprodis?

Como posso ajudar a Aprodis?

Existem muitas possibilidades de ajudar a Aprodis e a trabalhar pelas suas finalidades institucionais.

 

A Aprodis precisa de voluntários para o exercícios das diferentes gestões, para a realização de projetos de pesquisa e desenvolvimento de ações, de doações para a realização das suas finalidades e também para a sua manutenção.

 

Assim, se você acredita que é capaz de ajudar a Aprodis, entre em contato conosco.

Como faço para me tornar associado da Aprodis?

Podem filiar-se à Associação as pessoas capazes para os atos civis, que tenham interesse em se engajar na causa da sustentabilidade (Artigo 8° do Estatuto Social).

 

Até o momento, mesmo autorizada pelo artigo 9°, IV, do Estatuto Social, os Associados não pagam contribuições à Aprodis.

 

São direitos dos associados (Artigo 12 do Estatuto Social):
I – participar das atividades da associação;
II – tomar parte nas assembleias gerais com igual direito de voto;
III – votar e ser votado para os cargos eletivos;
IV – propor a admissão de novos associados;
V – ter acesso a todos os documentos da Associação;
VI – recorrer das decisões da Diretoria.

 

São deveres dos associados (Artigo 13 do Estatuto Social):
I – cooperar para o desenvolvimento e a realização das atividades da Associação;
II – fazer cumprir este Estatuto Social e as deliberações decorrentes da Assembleia Geral e da Diretoria;
III – comparecer à Assembleia Geral e às reuniões a que for convocado;
IV – aceitar e exercer os cargos e comissões para que for eleito ou designado.
V – zelar pelo bom nome da instituição;
VI – zelar pela preservação do patrimônio da instituição;
VII – pagar contribuição financeira, se houver e conforme previsão em regimento interno.

 

 

Se você quer se associar à  Aprodis, preencha o formulário disponível aqui, assine e envie para contato@aprodis.org.br.

 

 

A primeira Assembleia Geral Ordinária que acontecer, deliberará sobre o seu pedido e você poderá ser admitido como associado da Aprodis (art. 19, XI, do Estatuto Social).

Como faço para me desligar da condição de associado da Aprodis?

O Associado integrante da Aprodis, também pode, voluntariamente pedir a sua exclusão (art. 14, I, do Estatuto Social), preenchendo o formulário disponível aqui , assinando e enviando para contato@aprodis.org.br.

 

A primeira Assembleia Geral Ordinária que acontecer, deliberará sobre o seu pedido e você poderá ser excluído como associado da Aprodis (art. 19, XI, do Estatuto Social).

Receba as últimas notícias, atualizações sobre nossos projetos e novidades em seu e-mail